Considero-me uma trintona média, logo, representativa da Classe... mas posso estar enganada...

25
Fev 11

 

Por motivos profissionais, hoje falou-se de práticas sexuais dos jovens. Para os mais desatentos, quando se dizem as palavras "jovem" e "sexo", hoje em dia, na mesma frase, em certos meios, fala-se de 12/13 anos. 

 

Vi há uns tempos na Oprah que é "usual" ocorrer sexo oral entre os jovens, durante o tempo das actividades escolares, por exemplo, de uma forma ocasional, esporádica, "sem compromisso", nos USA. Chocaram-me vários factos, um deles o facto de serem elas a prestar este tipo de "mimo" a eles, sempre, sem que haja retribuição. Chocou-me a idade deles. Chocou-me o local escolhido, pelos vistos, usualmente (a carrinha escolar, lá atrás - o condutor é cego?). Choca sobretudo o, às vezes, nem saberem bem como eles se chamam. 

 

Não tenho conhecimento que, entre nós, isto seja assim tão comum que seja um problema... Mas... será que não? Ou será simplesmente que não nos chega a informação?

publicado por Trintona(inha) às 08:00
música: Duck Sauce - Barbra Streisand

17
Mai 10

 

Não deve ser novidade de que sou uma mulher prática e despachada. Não deve ser novidade também que conheço o meu quinhão de brinquedos sexuais, muito embora goste de aprender e esteja sempre disposta a experimentar coisas novas. Mas uma inquietação que me assola há algum tempo (e que, por favor, se alguém sabe para que serve, me ponha a par!) é porque é que os vibradores têm comando à distância.

 

Responde-me uma amiga: "Para o marido estar no trabalho e controlar a vibração à distância"

 

Vejo duas falhas nesta explicação. 1º - Os comandos têm um alcance limitado. 2º - Não daria jeito nenhum estar a trabalhar com um vibrador dentro de mim e que começasse a trabalhar assim, do pé para a mão... Ou da mão do meu "marido" para a minha va-ja-ja (como diz a Oprah)...

 

A segunda inquietação tem a ver com um relato que me foi feito este fim-de-semana, em jeito de confissão, a propósito de gostar de dar prazer a uma mulher: "Algumas têm um sabor avinagrado" :-P

 

Sério?! Esta nunca tinha ouvido falar. Deve ser horrível... Alguém também acha que isto é verdade?

 

 

publicado por Trintona(inha) às 12:38

07
Mai 09

 

Um bom amigo pediu-me para falar sobre sexo oral. Pergunto-lhe se as minhas opiniões pessoais sobre o assunto, as opiniões que eu creio serem das mulheres em geral ou aquilo que eu sei, de uma forma privilegiada, sobre a forma como as mulheres vivem essa parte da vida em particular, privilégio esse que deriva da minha área profissional.

 

Tendo em conta ainda que tudo deriva da questão do dar (fazer) ou receber... Isto é assunto demais para um post só. Vamos ver como descalço esta bota.

 

Ser objecto deste tipo de atenção por parte um homem (dado que ainda não experimentei com uma mulher) que sabe minimamente o que está a fazer... para mim não tem qualquer problema. Não gosto de sentir que estão a fazer frete, tal como creio que eles também não gostam. Não gosto de sentir que estão a despachar aquela questão (em 2 minutos) para depois curtirem 20 minutos da retribuição. Admito que é uma questão em que, para a maioria de nós, será necessário um tempo de habituação, um tempo para relaxar e interiorizar que nós merecemos sim aquele momento. Penso que é aqui que muitas mulheres ficam bloqueadas. São capazes de fazer mas não de receber. Invocam os mais diversos motivos, alguns bem parvos, mas invocam-nos.

 

Sentir que temos ali um homem disposto a levar-nos ao sétimo céu daquela forma, e permitirmo-nos deixá-lo, curtir o momento a 100%, é delicioso. Se alguém que está a ler estas linhas ainda não o conseguiu, aconselho vivamente.

 

Fazer. Penso que aqui tudo se prende na questão do "dar prazer". Se temos vontade de dar prazer aquela pessoa que está ali connosco a partilhar aqueles momentos... temos tudo para agradar. Claro que a experiência, a ausência do "nojo" que muitas mulheres ainda sentem, é essencial. Há manuais sobre as técnicas que podem ajudar as minhas amigas mais apressadas. Mas se ela está interessada em agradar, sentirá muito facilmente o que põe o outro completamente desvairado.

 

Também não tenho problemas em admitir que é uma área que muito me agrada pôr em prática. Comer sempre do mesmo enjoa e é necessário ir variando. Penso que estas práticas, hoje em dia melhor aceites, permitem variar mais, são excelentes preliminares mas servem também como "refeição principal". Tudo depende do momento e dos intervenientes.

 

publicado por Trintona(inha) às 21:19
sinto-me: Malandra!
música: No More Running Away - Air Traffic (nova canção-fetiche)

Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

47 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
blogs SAPO