Considero-me uma trintona média, logo, representativa da Classe... mas posso estar enganada...

02
Out 08

Bom. Para começar, devo dizer que o dia de hoje foi impróprio para cardíacas. Estou a chá de tília porque não consigo tolerar camomila e sinto-me com o coração a mil. E estou hipertensa... o que para a minha idade, é muito mau.

 

Depois, tenho que agradecer ao António Variações. Pela letra escrita há mais de vinte anos, que tanto me inspirou no dia de hoje...

 

Em terceiro lugar, partilhar porque é que estou neste estado... Acordei de um pulo, apesar das poucas horas dormidas e fui arranjar-me. Ele já me viu sem maquilhagem, cabelo desarranjado... Por isso não adiantava aperaltar-me como se fosse para a noite, que ele já me conhece bem. Maquilhagem normal, cabelo arranjado (natural é de um encaracolado selvagem, arranjado faz lembrar o da Eva Longoria), salto bem alto, calça de ganga que me cai como uma luva e um top preto com um generoso decote. A cada vez que alguém se dirigia a mim, pensei que fosse a anunciá-lo... Que stress... A hora do almoço chegou, fui comer... Avisando onde estava, não fosse ele chegar... A certa altura pensei que fosse ele a chegar ao pé de mim e já quase não conseguia levar a comida à boca!!! Pensei com os meus botões: «Que raio! Porque é que ele me deixa assim? Já senti que ele também quer. Se o encaro neste estado, nem vou conseguir falar! Com outros homens falo das minhas tendências bissexuais, com este que gostava de experimentar o que ainda me falta explorar e não consigo sequer olhá-lo em condições!!!» Tentei acalmar-me... E voltei ao trabalho. Ele não apareceu. Noutra altura, passar-me-ia logo ali... Que ele não foi porque não está interessado em mim... Que... Que...

 

Por alguma coisa Deus fez os rafeiros atravessarem a minha vida.... E mesmo não sendo católica, acredito em Deus e acredito que tudo na nossa vida acontece por um motivo... E cheguei hoje à conclusão de qual foi o motivo deste meu contacto com eles... Aprender a ser paciente, a aceitar que até as coisas acontecerem não se deve tomá-las por garantidas, a ter em conta que nem toda a gente é como eu e faz o que «promete»... Trouxeram alguma serenidade à minha vida...

 

Dei as minhas voltas... Respondi a umas mensagens (saí do «castigo», mas não o aceito, por isso mostrei cartão vermelho...)... Fui buscar os miúdos e lá fui eu para o local onde o conheci...

 

Rapidamente o encontrei. Não sei como, serena. Parecia que tinha tomado alguma coisa. Juro que não tomei. Cumprimentámo-nos... Ele brincou com o meu filho, como sempre... E depois disse que tinha ficado retido, com problemas, que não conseguiu aparecer... Eu voltei a sugerir o SMS... E desta vez ele já pareceu ver as vantagens deste método... ;-) Foi buscar o telemóvel dele... Eu disse-lhe o meu número, ele deu-me um toque para eu guardar o número dele... ;-) Gostei da subtileza...

 

Parecendo hipnotizada, pela tranquilidade com que o fiz, perguntei-lhe como correu o dia de aniversário... Meio atordoado, perguntou «De quem»... E eu, a sorrir, respondi-lhe: «O teu»... Eu, que falo com ele umas 6 vezes por mês nos últimos dois anos, que jamais o tratei por tu... ;-) E disse-lhe que o meu aniversário é alguns dias depois do dele... Ele lá explicou como foi, que não liga muito a esses dias, que lhe fizeram umas surpresas... E depois pergunta-me pelo meu... Eu conto-lhe... Falamos um pouco de gostos musicais... Claro que, com 12 anos de diferença e um estilo de vida provavelmente oposto ao meu... não conheço metade dos grupos que ele falou, mas, com ele por perto, quero lá saber de música!!! :-D

 

Claro que eu aproveitei para reforçar a minha situação de solteiríssima, não fosse ele ter dúvidas... :-D

 

Ainda nos cruzámos mais algumas vezes... Falámos certamente sobre mais algumas coisas... Mas nem me lembro... Os olhos são de um verde delicioso... Acho que consigo imaginá-lo a falar, eu enroscada nele e não ouvir uma palavra do que ele diz... Só olhando para aqueles olhos... Ai... Lá vem a taquicardia...

 

Por fim, saiu uma hora depois da sua hora habitual... Ainda o acompanhámos... Coincidência? Não acredito em coincidências... Especialmente quando nós saímos a uma hora mais ou menos pré-determinada...

 

Aguardo A mensagem. Hoje penso que já não vem... Amanhã também é dia, não faz mal...

 

E pensar que o argumento do favor é tão fraquinho... Tão que até dá para desconfiar... Que bom...

 

Beijos!!!

 

 

 

 

publicado por Trintona(inha) às 22:30
sinto-me: a não caber na minha pele!
música: Coldplay - Fix you

01
Out 08

 

O Labrador lá regressou de férias. Em grande... Bem bronzeado, mesmo como eu gosto... E regressa malandro também... Que olhar... fico com as pernas a tremer só de pensar... Chega-se a mim e diz que volta a precisar de um favor meu... Ai... Paragem cardíaca!!!

 

Sugere ir ter comigo ao meu local de trabalho... Eu, estúpida que sou e interessada em lhe apanhar o número de telemóvel digo-lhe que pode mandar por mensagem o nome do que precisa... Ele volta a dizer que não, que vai lá ter comigo, pergunta-me quando estou, qual o horário... Dêem-me choques!!!

 

Claro que falta aqui sublinhar que estávamos acompanhados dos meus filhos...

 

Então... amanhã vai ter comigo... ARGHHHHHHHHHHHHHHHH

 

Claro está que amanhã vou «nos trinques!!!»... Nem a base pode faltar... Será que é desta que deixo de ser parva e aproveito o que a vida até parece querer pôr-me à frente?

 

Ontem liguei o rádio e passava esta música, muito velhinha, cuja letra vos deixo...

 

 

 

 

É p'ra amanha
Bem podias fazer hoje
Porque amanha sei que voltas a adiar
E tu bem sabes como o tempo foge
Mas nada fazes para o agarrar

Foi mais um dia e tu nada fizeste
Um dia a mais tu pensas que nao faz mal
Vem outro dia e tudo se repete
E vais deixando ficar tudo igual

É p'ra amanha
Bem podias viver hoje
Porque amanha quem sabe se vais ca estar
Ai tu bem sabes como a vida foge
Mesmo que penses que esta p'ra durar

Foi mais um dia e tu nada viveste
Deixas passar os dias sempre iguais
Quando pensares no tempo que perdeste
Entao tu queres mas é tarde demais

É p'ra amanha
Deixa la nao facas hoje
Porque amanha tudo se ha-de arranjar
Ai tu bem sabes que o trabalho foge
Mesmo de quem diz que quer trabalhar

Eu sei que tu andas a procurar
Esse lugar que acerte bem contigo
Do que aparece nao consegues gostar
E do que gostas ja esta preenchido

 

 

Já agora, só para não ser acusada de duas-caras, que quero uma coisa e dou outra... Ontem saí com o wolfhound... Cheguei a casa, trocámos umas mensagens, e devo «estar de castigo» por umas coisas que escrevi... Lamento, mas para isso não há pachorra...

 

 

 

Beijos!

publicado por Trintona(inha) às 16:06
sinto-me: Com a pica toda!!!
música: Antonio Variaçoes - É p'ra amanhã

28
Set 08

Tinha saudades do meu programa de «solteiríssima» e fui ao cinema sozinha. Desta vez, foi uma mulher a vender-me o bilhete, mas, à saída, vi vários «pares» de rapazes/homens que me deitavam uns olhares esquisitos...

 

Bom filme, muito embora seja de terror, uma escolha um pouco esquisita para uma mulher sozinha. Pelo menos era a opinião do casal que estava atrás de mim. :-D Seria um convite?

 

Continuo com a minha problemática do costume... Confiar? Até que ponto? Não confiar? Não chegar a amar? Consigo imaginar-me numa «relação», um pouco como estou a viver agora, em que não sei onde ele está excepto quando está comigo. Podia investigar, mas não quero ir por aí. As razões para (des)confiar continuam a fazer-me confusão. Ser demasiado crédula? Ou demasiado desconfiada? Mas se não consigo confiar mas continuo nela, sei que não me vou entregar. Voltar a confiar demora tempo... Muito tempo...

 

Sinto que já consigo levar as coisas com mais calma. Se fosse à altura da minha separação, já tinha mandado tudo para o alto por causa das minhas dúvidas... Assim...

Vou estar com o «Irlandês»... Não sei sobre o que é que me vai apetecer falar. Também já aprendi a refrear os meus ímpetos e não escrever as coisas em mensagens ou no Messenger... Se quero saber a verdade, sobre o que quer que seja, é a olhar nos olhos que vou saber. Não a «avisar» com horas de antecedência os assuntos a tratar... :-|

 

Esta semana vou, seguramente, voltar a estar com o Labrador... Será que é desta que vai haver algum desenvolvimento sobre esta raça?! Se não houver, tenho que deixar ir esta fantasia... Qualquer dia atrapalha...

 

E há por aí um projecto novo bem interessante também... Mas não lhe vou atribuir uma raça... É cedo... ;-)

 

Beijos!

 

 

 

 

 

publicado por Trintona(inha) às 00:38
sinto-me: Bem
música: The Story - Brandie Carlile (música fetiche)

22
Set 08

Já aqui devo ter dado a entender várias vezes a dificuldade que sinto em pôr de lado o passado e recomeçar a viver de novo. Viver na verdadeira acepção da palavra, em termos amorosos/relacionais. É difícil voltar a confiar. Mesmo que não seja na mesma pessoa. Mesmo que não tenhamos razões reais para desconfiar. Se há algo remotamente semelhante com algum episódio do passado, o primeiro pensamento que me assola é «estás a ser enganada...»

 

Uma das poucas coisas que me ficou das duas únicas sessões de psicoterapia que fiz na vida foi a explicação racional desta dificuldade em voltar a confiar... Não quero pôr-me numa posição de fragilidade, de permitir que alguém me magoe outra vez... Damn, you're right, lady! Porque é que havia de deixar?! Porque se não me permitir colocar outra vez nessa posição... e quem sabe mais uma dúzia de vezes, nunca mais vou viver um amor intenso?! Ah, pois é... Eu SEI disso... Agora... PERMITIR...

 

Tenho muitas saudades do irlandês. Vou vê-lo amanhã. Mas sei que, mesmo que ele me dissesse que encontrou outra pessoa, a vida continua. Agora, será porque não me entreguei incondicionalmente ou porque, simplesmente, aprendi que não se morre de amor? Ou será que, apesar de não aceitar convites «para café» ;-) nunca afastei por completo os «pretendentes» e isso, de alguma forma, me transmite segurança para a minha máxima... «Os homens são como os comboios, perde-se um, apanha-se outro!»? Já sei, é mau... Mas ao menos é sincero! E como nunca jurei fidelidade nem exclusividade, não é desonesto... Como, para mais, não sei como é que ele encara a relação nesta questão... Enfim...

 

Beijos!

 

 

publicado por Trintona(inha) às 20:22
sinto-me: Apesar das dúvidas, bem!
música: Eternamente Tu - Jorge Palma

21
Set 08

Hoje escrevo o post com duas lágrimas no canto de cada um dos olhos...

 

A do esquerdo é porque, lamentavelmente, encontrei ontem, no espelho do elevador do meu prédio, o meu primeiro cabelo branco... Buáááá... Por outro lado, pode ser uma vantagem... Quando tiver muitos, posso pintar o cabelo da cor que quiser que ele agarra todas! :-D

 

O segundo é porque este humilde blog foi nomeado, tanto quanto sei, pela primeira vez, como um dos «15 blogs do coração» pela Marta, do Blog «Um mundo de sonhos onde sonhar acordado é permitido»...

 

Em relação aos meus humores amorosos... Não vejo o irlandês há uma semana, faz hoje. Sabíamos que ia ser assim, temos horários laborais quase opostos... Eu também tenho os miúdos e não os deixo a qualquer hora seja pelo que for...

 

Por outro lado, não aceitei nenhum dos convites «para café». Posso ser eu que sou maldosa, mas tenho a sensação que a grande maioria deles acabaria em sexo, se eu o permitisse. E continuo firme na sensação recém-descoberta que sexo só por sexo, sem ter vontade de agradar o outro, sem que o prazer dele seja tão importante como o meu, não presta. Para além disso, sinto que não consigo fazer isso, ainda que seja mesmo só café, porque penso que não seria justo para com o Irlandês. Seria fazê-lo pagar pelos erros do meu ex, quando ele não tem nada a ver com isso. E também, esta semana vamos encontrarmo-nos e logo falamos sobre isso. Se eu conseguir.

 

Por outro lado, sei que se acabar amanhã, não vou ficar a chorar pelos cantos. Há muito peixe no mar (afinal parece que há, é só procurar nos lugares certos)... e já não acredito no «viveram felizes para sempre»... Por isso, quando acabar... era o esperado...

 

Em relação a outros assuntos, e porque a vida escolar da minha filha acabou de começar... Parece que há pais indignados porque as professoras primárias mandam trabalhos para casa aos seus filhos... Realmente! Os cinco minutos que a minha filha demora a fazê-los são essenciais! Assim são menos cinco minutos nas duas horas que ela gostaria de ver televisão! E claro, alicerçam-lhe o hábito de chegar a casa e consolidar o aprendido em sala de aula! É vergonhoso! Trezentas chibatadas para todos os docentes que são capazes de uma coisa destas!!! E aposto que quem mais reclama são os pais que têm os miúdos inscritos na música à 2ª, natação à 3ª, inglês à 4ª, futebol à 5ª, informática à 6ª and so on... Desculpem-me o sarcasmo, mas hoje deu-me para aqui...

 

Beijos

 

 

 

 

publicado por Trintona(inha) às 17:51
sinto-me: Levada da breca!!!
música: Jorge Palma - Rosa Branca

18
Set 08

 

Não escrevo há uma semana. Uma semana é muito tempo, mas a vida mudou muito.

 

Acordo todos os dias às 7h, levar a miúda à escola... Antes, o pequeno-almoço, rever se a mochila está completa... O stress de chegar a horas...

 

Depois, o regresso para ir levar o outro ao infantário e chegar ao trabalho, mais uma vez a horas...

 

O corropio do PC não me deixa muito tempo para escrever... Enquanto aqui deposito estas palavras que tentei escrever todo o serão, três janelas piscam no fundo do desktop, chamando a minha atenção...

 

O tema para escrever é sempre o mesmo. Não me apetece escrever sobre a sociedade, na qual não vejo melhoras... Criminalidade, pais que não cuidam dos filhos, filhos que maltratam os pais, profissionais que não sabem fazer o seu trabalho de uma forma ética, pais que reclamam contra os trabalhos de casa dos filhos no 1º ano (!)...

 

Bom, dizia eu que o tema é sempre o mesmo. Com ventos que vêm da Irlanda, claro... Exclusividade... Verdade... Frontalidade... Honestidade... Meu Deus. Bom, passo a explicar.

Já sabendo à partida que a minha gestão de tempo não ia ser fácil, quis o destino que a minha primeira «relação» fosse com alguém cujo tempo também não é abundante... Isto faz com que, nos momentos que eu posso sair, ele não possa e vice-versa... Posto isto, para além de toda a problemática que já aqui ponderei pela parte dele, sobra a questão do que faço com as minhas saídas, os meus convites «para um café». Saio sem ele? Com quem? Amigas, sem problemas. Agora, os amigos... Só me lembro de um com o qual as saídas nunca tiveram uma conotação sexual... Não gostaria que ele me dissesse que foi sair com alguém que, por enquanto, é só uma amiga mas que, pelo menos ela, gostaria de mais... Por isso, a minha primeira tendência é nem sequer falar com esses «amigos»...

 

Depois vêm as dúvidas... Será que ele não o faz? Será que não o incomodava? Como é que eu olhava para ele se o fizesse?

 

A hora já vai adiantada e eu tenho que ir...

 

Beijos

 

publicado por Trintona(inha) às 22:52
sinto-me: Baralhada
música: Sempre para Sempre - Donna Maria

11
Set 08

 

Ciúme... Palavra difícil, sentimento complicado de gerir.

 

Porque é que o sentimos? Porque somos egoistas? Porque quando gostamos de alguém queremos pensar que essa pessoa só está emocionalmente ligada a nós? Penso que passa por aqui... Estou numa altura em que tenho que ter calma. Tenho que ser ponderada, não falar de tudo o que me vem à cabeça para não ir parar a assuntos que não quero discutir.

 

Não quero falar sobre a exclusividade. A dúvida dá cabo de mim, mas não quero falar sobre isso. Será que vale a pena falar, logo para começar? Com o meu ex, combinámos que, se algum de nós se sentisse atraído por outra pessoa e quisesse estar com ela, falaríamos um com o outro... Valeu a pena, não foi? Depois... Nem sei como começar uma conversa dessas... Só deixando mesmo surgir o assunto. Pelo que falámos indirectamente sobre o futuro, especialmente acerca dos meus filhos, fico com a sensação que estamos «em exclusividade», pelo menos teórica... Mas depois vêm as minhas dúvidas sobre o fosso entre o que é a intenção e a realidade. Confiar é difícil... muito... E depois, se eu lhe faço uma «pergunta» desses e ele já assumiu isso como um dado adquirido logo desde o início? Vai pensar que eu andei... por aí... o que não corresponde à verdade...

 

A nomenclatura. O assunto já surgiu várias vezes, mas penso que ambos fugimos dele. Somos... namorados?! E também... o que é que isso interessa? Só pode é levar a algum mal entendido... Por exemplo, encontarmos alguém conhecido e eu não saber bem como o apresentar, ou vice-versa...

 

A questão da relação anterior está ultrapassada... Mas lá chegará o dia em que terei de falar sobre as minhas dúvidas iniciais... Penso que ele compreenderá. Já falámos um pouco (o essencial) sobre a minha relação anterior para que ele compreenda que tinha as minhas razões...

 

A questão dos filhos. Ele não tem, eu tenho dois... Já dá para adivinhar o resto, não é? Que dor-de-cabeça... E o assunto já veio à baila, da parte dele... (Já?!?!?!?!)

 

And last but not least... A questão do morar com... Felizmente, esse assunto nunca surgiu... Nem sei se lhe passa pela cabeça... Mas não quero sequer saber, para já!

 

E agora, cama, que se faz tarde...

 

Beijos!

 

publicado por Trintona(inha) às 23:42
sinto-me: Ciumenta!!! Que mau!
música: Jorge Palma - Casa do Capitão

10
Set 08

Bom... Estou fã da Irlanda... ;-)

 

O problema agora é lidar com os fantasmas do passado nesta nova luz... Primeiro, porque seria injusto começar uma «relação» (será que estou mesmo a escrever isto? uma relação?)  com o pressuposto de que ele é igual ao meu ex. O que, para além de extremamente injusto para com o wolfhound, seria estúpido da minha parte. Era como se a última relação dele não tivesse resultado porque, imaginemos, ela só quisesse «caçá-lo» e ele lidasse comigo a pensar que eu também queria isso, quando a minha última ideia seria essa.

 

Depois, porque não haveria maior glória para o meu ex saber que as marcas que deixou em mim são tão profundas que eu deixei de ser capaz de amar... Por culpa dele...

 

Sei que as chances de bater com os cornos na parede são grandes. Mas ainda me lembro de uma frase que li há alguns anos atrás, que é bem verdade, na minha opinião... «Mais vale chorar por ter amado por que nunca ter chorado por amor...». E, como lhe disse a ele mesmo, prefiro escolher conscientemente fazer algo e aperceber-me mais tarde que não foi a melhor escolha do que ficar o resto da vida a pensar como teria sido...

 

Beijos

publicado por Trintona(inha) às 00:49
sinto-me: Bem
música: Raphaël - Carla Bruni

06
Set 08

Bom, como prometido, aqui vai um post  com as minhas reflexões sobre esta nova e interessantíssima espécie. Muito se passou desde o último... E não é que não tenha tido tempo para escrever... penso que não vou conseguir fazê-lo sem parecer uma adolescente, coisa que não quero que aconteça. Seria um regresso a uma inocência que eu não me quero permitir... Talvez faça mal, mas é difícil pôr de parte um conjunto de medidas de defesa que se assumiram nestes últimos anos...

 

Claro que seria difícil acreditar cegamente em tudo o que me digam neste momento. Mas os alarmes que soavam quando o telemóvel vibra e não é atendido já não tocam. Interpreto isso como uma questão de educação. Estamos ali para estarmos juntos, não para atender chamadas. E uma, de trabalho, foi atendida à minha frente, com a respectiva explicação de inadiabilidade... Eu faria o mesmo, se tal situação surgisse... Recebi uma mensagem e não a fui ver... Temos saído nas mais diversas situações, horários, pelo que o receio de ainda haver uma relação anterior começaram a dissipar-se. Não desapareceram totalmente, mas já não penso nisso...

 

A questão do cozinhar para mim está resolvida... E com sucesso... A minha contribuição foi... apenas de fornecer inspiração... ;-)

 

É uma pessoa completamente diferente de todas as que conheci até hoje. E posso dizer que não foram poucas... Sinto-me cada dia com mais vontade de estar com ele a todas as horas, de partilhar momentos com ele... Voltei a sentir coisas que, até o começar a conhecer melhor, diria ser impossível. Que raio, tenho vontade de o apresentar aos meus filhos!!! Parece-me que a única coisa que ainda não tive vontade foi de morar com ele. Nisso, continuo a não ver vantagem para mim. Posso ter tudo sem ser necessário dividir chatices. Parece-me. Embora tenha que assumir, com humildade, que, em semanas, ele me fez pensar coisas que eu nunca imaginaria enquanto fosse trintona...

 

Que dizer mais? Ah... Posso dizer que, realmente, poder juntar um cérebro interessante com um invólucro tão ou mais interessante é, realmente, delicioso... E não tem qualquer comparação com um vintinho que, inicialmente, até pareceu ter uma conversa agradável... É como comparar um bom vinho tinto com um copo de água... Ambos servem para beber, mas o vinho é... sublime...  ;-)

 

Beijos

Trintinha

 

 

 

 

publicado por Trintona(inha) às 23:45
sinto-me: Nas nuvens...
música: Eternamente Tu - Jorge Palma

04
Set 08

 

É uma boa raça...

publicado por Trintona(inha) às 11:55
sinto-me:
música: Encosta-te a mim - Jorge Palma

Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
links
blogs SAPO