Considero-me uma trintona média, logo, representativa da Classe... mas posso estar enganada...

19
Ago 08

 

Hoje lembrava-me de uma "conversa" com a Ana do blog «Diário de uma divorciada» sobre o porquê de termos a sensação de não haverem homens interessantes e livres.
Questão número um: pode ser mesmo só nossa impressão.
Questão número dois: todas as estatísticas estão contra nós; os homens nascem em menor número, morrem mais cedo, tenho a ideia (claro que posso estar errada) que há uma percentagem muito maior de gays masculinos que femininos...
Questão número três (levantada pela Ana, mas com a qual não posso deixar de concordar): os homens não estão habituados a estar sozinhos. Ou com a mãe, com a namorada, com a mulher... alguns até com a ex-mulher... Pelas questões relacionadas com a manutenção de uma casa, deles próprios... Mas a realidade que eu conheço é esta mesmo. Solteiros, passam a casados. Quando passam a divorciados, voltam para os pais ou seus arredores, para que as mães os voltem a «orientar». Claro que aqui, serão «livres», mas quem quer um menino da mamã? Quando os pais não existem ou é como se não existissem, ou tentam-se «colar» à ex ou arranjam muito rapidamente namorada...
Se emocionalmente apenas, é mais fácil para uma mulher estar realmente só, e por só entendo sem namorado/amigo colorido/marido/amante... não sei. Nunca fui homem, não posso estabelecer comparações deste modo. Mas tive há pouco tempo uma conversa com um amigo, que me perguntava «não é bom ter um homem»... Ao que eu respondi não ver qualquer utilidade em ter um namorado neste momento. As razões apontadas por ele foram três: «nunca estás sozinha», «tens companhia para falar» e subentendeu-se o sexo, mas não chegámos ainda a falar sobre isso. Quanto ao primeiro motivo... triste será, na minha opinião, se se estiver com alguém para não se estar só. Até porque se pode estar com muitas pessoas ao mesmo tempo e estar-se só na mesma. Quanto ao falar... os homens são internacionalmente conhecidos por serem grandes conversadores... :-D  Quanto ao sexo... bom, nem vale a pena explorar. Faz-me lembrar a piada de porque é que as pessoas casadas engordam...
Questão quatro: por interessante entende-se giro, sexy ou como lhe queiramos chamar e com algo dentro da cabeça para que não tenhamos que ouvir os «prontos», o «quer-se dizer» ou o simples facto de ser um homem que sabe estar. Ora, os portugueses são, sensivelmente, 10 milhões. Dados de 1995 (desactualizadíssimos, portanto) dizem que, entre os 15 e os 64 anos, homens são 3 468 844. Diria que, 10% destes são gays. Ou seja, ficam 3 121 959. Destes, cerca de 75% serão casados, pelo que sobram 780 489. Metade destes estão fora da minha faixa etária aceitável... :-D... ou seja, sobram 390 244. Não tenho pretensões a andar pelo país a fora conhecendo pessoas, pelo que só me cruzarei pelos homens que moram na minha área geográfica... Lisboa... Terá cerca de 25% da população de todo o país? Sobram 97 561. Digamos que metade destes não reúnem os difíceis requisitos que eu (esquisitona!) imponho. Ficam 48 780. Onde andam estes homens?! Serei eu que me enganei nas contas? Ainda me faltam algumas variáveis? Claro que destes haverá sempre uma percentagem que não me quereria...
Hoje estou mesmo como o outro:
«Vou continuar a procurar
A quem eu me quero dar
Porque até aqui eu só:
Quero quem quem eu nunca vi
Porque eu só quero quem
Quem nao conheci
Porque eu só quero quem
Quem eu nunca vi
Porque eu só quero quem
Quem nao conheci
Porque eu só quero quem
Quem eu nunca vi

Vou continuar a procurar
A minha forma
O meu lugar
Porque até aqui eu só:
Estou bem aonde eu nao estou
Porque eu só quero ir
Aonde eu nao vou
Porque eu só estou bem
Aonde eu nao estou»
publicado por Trintona(inha) às 22:37
sinto-me: Desanimada...
música: António Variações - Estou Além

22 comentários:
Oh Leninha, então, que é lá isso?
A desancar assim nos homens, sem apelo nem agravo?
Somos diferentes das mulheres? Graças aos Deuses.
Só nos sentimos completos na companhia das mulheres? Graças aos Deuses.
É que se não fossemos como somos, seríamos exactamente como as mulheres. E se fossemos como as mulheres, com quem é que vocês se iriam sentir bem?
O principal defeito que um homem pode ter é exagerar e aproveitar-se da sua condição de homem, das obsoletas tradições que o aceitam como putanheiro, como vadio, como "só trabalha fora de casa"...
O principal defeito das mulheres é haver muitas que aceitam esses comportamentos, não lhes pondo fim logo no início quando se começam a revelar.
A mim ninguém disse que ía ser fácil viver a dois. Tem que haver cedências, adaptações, diálogo, paciência, muita paciência, até devem existir prémios. O que não pode é haver submissão, vingançazinhas, castigos. Tudo isto de e para as duas partes envolvidas.
Há situações que podem e devem logo ser precavidas na fase do namoro, e que o não são porque qualquer um ou uma tem receio de ficar a falar sózinho. A nós ninguém nos ensinou, mas podemos ensinar os nossos filhos: ou a pessoa de quem gostam perde aquilo que se pode perfeitamente classificar como maus hábitos, comportamentos indevidos ou atitudes de m.... durante o namoro, ou não há casamento ou união de facto.

Miguel a 20 de Agosto de 2008 às 09:56

Conclusão:
Se não mudarem, não são gente que interesse. Se mudarem, é porque querem mesmo a nossa companhia. Se fizerem um notório esforço para a mudança, então vale a pena insistir mais um pouco antes de partir para outro(a).
Miguel a 20 de Agosto de 2008 às 10:00

Miguel:

Concordo com tudo o que disseste. Muitas vezes pensei que o meu ex, foi, em parte, vítima de um generation gap relacional. Tem os modelos (maus) dos pais, pertencentes a outra geração e a exigência de uma mulher da geração dos 30.

Dei-lhe 7 anos para tentar mudar. Piorou. Enfim.

Fica-me o receio de não conseguir educar, especialmente a minha filha, a não estar de pé atrás com todos os homens do mundo. Porque tenho a esperança que ao menos ela encontre o 0,01% da geração dela que valha a pena.

Beijos!
Trintona(inha) a 20 de Agosto de 2008 às 19:54

Concordo com tudo...e ainda acrescento que o problema é mesmo o "interessante" e não o "livre". Simplesmente não há homens interessantes! (Eu sei que é uma afirmação muito polémica, mas é o que sinto).

E se tu falas da Região da Grande Lisboa, imagina o que se passa no Algarve! (Nem te vou descrever...:) ).

Ai como eu queria voltar a morar em Cascais...
Veruska a 20 de Agosto de 2008 às 10:31

Olá Vera

Bom, a questão do interessante e livre é por si própria polémica... Um homem que é casado/vive maritalmente com, mas equaciona uma relação comigo, ainda que apenas sexual, perde todo o interesse para mim. Porque se assim é, tem uma série de características nas quais não estou interessada. Não sei se me consigo fazer entender...

Quanto à localização geográfica... Aproveita agora, deve ser a época alta em termos de homens para esses lados! ;-)

Beijos!
Trintona(inha) a 20 de Agosto de 2008 às 19:58

Grandes contas, que nem me dou ao trabalho de ver se há algum nexo nos resultados, mas estou de acordo contigo em grande parte do que dizes, e cada vêz mais é difícil um homem viver sózinho, claro que menos para uma mulher, pelas razões que todos conhecemos.
Também me parece que cada vêz há mais gays, e penso conhecer a razão para isso acontecer,e a letra que escolhes do A.Variações diz um pouco do que eu penso.
Ser casado/a não é crime nem doença contagiosa, ninguém é de ninguém e hoje estamos bem aqui mas amanhã já estamos bem ali. A questão do tempo que isso dura só tem a ver com a capacidade de dar que cada um tem.
Vamos gosar a vida da melhor forma possivel, respeitando os outros, (este é o meu lema)
beijos

joão paulo a 20 de Agosto de 2008 às 11:02

Olá João

Bom, as contas não são complicadas, tinha um pouco de tempo e era um cálculo que já queria fazer há algum tempo... :-D

Sabes porque é que há cada vez mais gays? Partilha, por favor!!!

Ser casado não é crime, claro, eu já fui como se fosse durante 7 anos. O que não acho correcto é estar com alguém, exigir que esse alguém te seja leal/fiel e andar por aí a comer tudo o que aparece...

Gozar a vida, respeitando-nos a nós próprios e aos outros. Sempre.

Beijos!
Trintona(inha) a 20 de Agosto de 2008 às 20:03

Ola,
Cheguei ate ao teu blog através do blog da Ana Leandro.
Li os 2 últimos posts e só posso dizer que achei muito interessante a tua escrita, simples e prática.
Espero voltar.
Quanto aos posts.... só posso dizer que acho cada vez mais que números e estatísticas não passam disso mesmo, números e estatísticas.
Se olhar para o assunto pelo lado masculino, acho que a "coisa" toma uns contornos desesperantes, pois os números.... são bem maiores, o que levara os homens a questionarem-se se andam cegos, pois onde Andam "Elas" ??!
Daqui dos meus estonteantes 1,69 m de altura estou totalmente contigo quanto à costa Alentejana, este ano calhou ir uns dias ao Algarve e que saudades eu tive do sossego da costa Alentejana.

Até Breve.
Bjs
EuMesmo a 20 de Agosto de 2008 às 11:34

Olá «EuMesmo»

Benvindo. Obrigada pelos elogios. É sempre bom ouvir. Volta, sempre que queiras.

Entendo o que queres dizer com as estatísticas. Realmente, as coisas estão facilitadas para vocês, sob esse ponto de vista. Foi um factor que me escapou quanto à concorrência. lol

A Costa Alentejana estava deliciosa, como sempre. E muito mais perto que o Algarve. Mais fácil para uma «escapadinha».

Beijos!
Trintona(inha) a 20 de Agosto de 2008 às 20:06

Concordo com o "não interessante" da veruskaapropria.

Dou por mim a criticar a maneira de falar de certos homens, as atitudes deles e até certos comentários.

O 'prontos', então, dá cabo de mim. :)

Parabéns pelo blog. Descobri-o há pouco tempo e nem me lembro como é que aqui vim parar.
Patxocas a 20 de Agosto de 2008 às 11:41

E ainda te digo mais, há medida que o tempo passa mais exigente vou ficando e menos interessantes são os homens que aparecem! A vida é f.....:)
Veruska a 20 de Agosto de 2008 às 13:16

Olá

A linguagem verbal assusta-me.

Às vezes a não-verbal não coincide com a verbal. Ponho-me à fresca.

O chinelo de enfiar no dedo na cidade... Argh...

Serei eu que sou esquisita? Estarei sozinha?

Obrigada. Vocês dão-me a certeza que podemos ser poucas, mas não sou a única!

Beijos!
Trintona(inha) a 20 de Agosto de 2008 às 20:10

porque estou a trabalhar tenho que ser curto e grosso.
tenho um amigo sozinho desde que me lembro. ha, tem um cão. e de qdo em vez vai passear com os sobrinhos. até nem é mal feito, é um bocado feio mas do mais humano que conheço, lindo como ser humano. pq as mulheres nem olham para ele??? pois é, tem que ser giro :(
cá eu sou giro mas não moro sozinho, moro com o meu filho. e sei fazer tudo em casa. sim, consegui a guarda da criança. qto a mulheres, não mto obrigado. são completamente confusas e parecem não sair da idade dos porquê. minto, quero mulheres para sexo. hihihi. gosto muito de sexo. mas ainda hei-de encontrar a minha alma gemea. beijos
paulo a 20 de Agosto de 2008 às 12:25

Pronto, mais um! "Tem que ser giro :("!!!!!! Não concordo nada contigo!

Isso da beleza é tão discutível...

Mulheres completamente confusas e na idade dos porquês???!!!! Se eu não encontro homens interesssantes, tu também não encontras mulheres "vibrantes". :)
Veruska a 20 de Agosto de 2008 às 13:14

Olá Paulo-curto-e-grosso-por-motivos-laborais

Bom... As histórias que começam por «tenho um amigo» costumam ser sobre nós próprios...

É um bocado feio. Bom, vou ser muito directa e sincera. Um bocado é vago. Há homens que são «não muito bonitos» mas são pessoas tão impecáveis que podemos considerar uma relação. Há outros que não dá mesmo... Mas isto é só a minha opinião.

Em relação à tutela, dar-te-ia os parabéns, mas infelizmente para vocês homens (e é injusto, sou a primeira a dizê-lo) isso normalmente não significa que vocês são bons pais. Significa apenas que ela é uma péssima mãe ou não quis mesmo o miúdo. Lamento, acima de tudo pelo menino.

Queres as mulheres só para sexo. Estamos empatados. O pior é que não me serve qualquer homem. Enfim.

Não tenho esperanças de encontrar a minha alma gémea porque não acredito nisso. Fizeram-me deixar de acreditar.

Beijos
Trintona(inha) a 20 de Agosto de 2008 às 20:19

Ora bom dia.. ou tarde...
Antes de mais; Aquele abraço à menina Trintona(inha)
Estive a ler o teu “post”, e sinceramente penso que parece que tenho que voltar a Portugal para dar alguns momentos felizes (sorriso maroto).
Sobre a questão dos homens em Lisboa, ou no Algarve… etc e tal, o que penso sinceramente é que em primeiro lugar é necessário colocar os pés na terra, e situares bem na realidade aonde estás. (tu menina, e também essa juventude de moçoilas que pairam ai perdidas).
Ora vejamos, em primeiro lugar, a questão da falta de homens em todo Portugal que se cônjuge aos teus parâmetros supostamente exigentes, é apenas um reflexo do que hoje em dia eu considero de “media” dependents.
Eu explico, hoje em dia, toda a gente pretende o carro perfeito, a casa assombrosa, as empregados e empregadas, e claro um jovem que seja independente, mas sociavelmente dependente da opinião da mulher, do jovem masculino que seja atraente, sexy, com um corpo desejável, etc…etc. Enfim… a história continua por aí fora…
Agora vejamos, existe algum mal em se pretender isso tudo?
Pois está claro que não, a questão é que é necessário colocar os pés na terra e perceber que só à menos de 30 e poucos anos saímos de uma ditadura e de um ambiente tipicamente tradicionalista. Só à bem pouco tempo, as mulheres começaram a ficar preocupadas com o facto de um homem “dormir fora de casa”, sim porque antes as denominadas mulheres, teriam que ser de “respeito” e pudicas… etc e tal.
Enfim… poderia estar-te aqui a dissertar uma tese de sociologia de sexualidade inerente aos tempos que vivemos. Mas apesar de poder ser algo simplista no meu resumo. A questão é que o Homem, como ser masculino, tal como a mulher também modificou o seu comportamento ao longo desses 30 e tal anos…. Senão vejamos:
- Mulheres solteiras começaram a criar as respectivas crianças masculinas
- Homens e mulheres começam a trabalhar, e crianças masculinas começam a ver que as mulheres é que realmente tem o trabalho todo em casa
- Homens vindos de africa com graves traumas psicológicos libertam esse trauma pela bebida e reais violências sobre seus familiares traumatizando indiscutivelmente essas mesmas crianças…
- Homens masculinos em vez de aos 11 ou 12 anos ir trabalhar com os país… vão para a escola e como tal protelam a questão da maturidade para bem mais tarde…
Enfim.. e lista poderia continuar!
Obviamente que tudo isto tem implicações na vida do ser masculino outra postura, outra forma de ser. Para além disso, o homem como é certo sabido, tendo em conta que existe uma proporção de quase 7 para 1, implica obviamente como um leão relaxado que sabe que sem procurar ou aborrecer-se por certo algo irá cair na sopa! É também uma questão de probabilidade.
Tudo isto tem haver com questões culturais do próprio povo… aliás fiquei escandalizado com a atitude da Vanessa Fernandes a “tirar postas de pescada”, tal como lá o não sei que Moura… mas acho que reflecte perfeitamente a imagem de Portugal.
As pessoas procuram sempre atalhos para chegar mais longe. É um pouco como agora aquele modelo que o governo utilizou de simplex, isso dá apenas número de estatística… por acaso dará reais conhecimentos à pessoa? Por acaso dará realmente uma nova oportunidade para depois lutar por um curso superior ou médio?
E as pessoas dizem… mas para que é que um varredor de rua, ou uma empregada de limpeza precisa de ter curso superior? E eu respondo… e por acaso o saber ocupa lugar?
O conceito de as pessoas evoluir no seu todo como individuo não existe, a retórica do “Mens sana in corpore sano"… é apenas isso uma filosofia pelo qual não se vive ou pratica de forma generalista.
Atendendo a isto tudo, aquilo que posso dizer que para encontrares corpos jeitosos é uma questão de ires aos ginásios certos, (pese embora hoje em dia seja mais um sitio para relações rápidas). Para pessoas independentes, tens sempre pessoas de desporto radicais… de caminhos pedestres.
Para encontrares o tudo num pacote… é uma questão de timing… e acima de tudo deixar a vida andar normalmente. E por certo poderás encontrar. Neste mundo tudo é possível!
john4sex a 20 de Agosto de 2008 às 16:02

===Continuação===

Sobre o comentário das mulheres serem isto e aquilo... tal como os homens. A única questão que poderei indicar é que infelizmente a mulher Portuguesa precisa de viver no estrangeiro para ter uma outra postura na vida. Tal como o homem Português. É triste de dizer isto mas é a realidade. As pessoas por ai, passam o tempo todo a queixar de tudo e de nada… E quem tem conversar algo edificantes, facilmente desiste das ter, porque por certo encontrar-se-á a falar sozinho ou a fazer adormecer a respectiva companhia.

O conselho:
A atitude que se deverá ter é nunca desistir, e quem sabe explorar locais aonde usualmente o que se pretende poderá ser encontrado. (se por exemplo rapaz jovem, independente e com dois palmos de testa). Porque não sair até ao bairro alto, ou então à zona de santos? Ou ainda um barzito ali na zona do castelo?

Acima de tudo é necessário não desistir! E ter coragem para continuar a procurar pelo sonho! Como se costuma dizer “O sonho comanda a vida!”.

O fim:
"A beleza está nos olhos de quem vê, não na figura que é vista!"
john4sex a 20 de Agosto de 2008 às 16:04

Olá John!

Não vou dar uma resposta à altura do teu comentário, porque para isso precisava de uns bons 30 minutos, que não tenho.

Não quero viver com um homem, não quero ter uma relação com um homem. A situação socio-politico-economico-familiar da classe masculina não está em causa. É interessantíssimo, mas não me parece que seja importante. Só pergunto: um homem até aos 40 anos, inteligente, sexy, charmoso, simpático, que não assassine o português, que seja bom na cama (e fora dela), que viva para os meus lados, tenha mais de 1,70 (e de preferência não chegue ao 1,90)... É pedir muito?! Não quero saber se ele acha que deve DIVIDIR as tarefas comigo ou AJUDAR-ME EM CASA, porque já tenho ajuda e não o pretendo ter na minha casa, nem para sexo. Isso é de preferência na casa dele...

Achas mesmo que vou encontrar este «homem ideal» num bar? Eu não...

Beijos!

Repara bem no que dizes:
“ Não quero viver com um homem, não quero ter uma relação com um homem.”
Contudo pretendes:
“um homem até aos 40 anos, inteligente, sexy, charmoso, simpático, que não assassine o português, que seja bom na cama (e fora dela), que viva para os meus lados, tenha mais de 1,70 (e de preferência não chegue ao 1,90)...”
E ainda…
“DIVIDIR as tarefas comigo ou AJUDAR-ME EM CASA, porque já tenho ajuda e não o pretendo ter na minha casa”
E mais interessante ainda:
“nem para sexo. Isso é de preferência na casa dele.”

Não vou entrar em julgamentos, nem quem tem razão ou deixa de ter… mas é assim Trintinha… porque relatas, tu estás realmente num momento muito conturbado na tua vida, não só em termos emocionais, mas especialmente a nível espirituais.
É a velha questão do querer ter uma relação com um homem, mas querer tê-lo… por um lado o teu corpo diz sim, por outro a tua mente diz não… (talvez por várias e multiplicadas experiências negativas com os mesmos).

Se penso que consegues encontrar um “homem ideal” num bar, posso-te dizer que sim.. num bar, numa rua.. num passeio.. na praia… etc…etc. O homem ideal, é isso mesmo uma ideia do que poderá vir a ser, e muitas vezes a realidade é que não sabemos realmente o que é esse ideal, a ideia apesar de ser no teu lado muito bem descrita, se pensares bem bem… será que é isso mesmo.

Entendo obviamente que não tenhas tempo para responder a um “post” enorme dos meus… aliás razão pela qual não tenho tido pachorra alguma para escrever muito sobre aonde estou, como estou etc, etc.
Mas tive oportunidade de ler, que ontem ao que parece tivestes a relaxar, a passear… a sentir a vida não no seu lado mais fútil… mas sim do lado mais apetecível da vida! Da liberdade da natureza, dos sentidos de realmente se viver pela vida!

No final de tudo, o que posso dizer… e isto infelizmente caindo um pouco no “judgmental”, é que não precisa de homem algum por agora na tua vida… precisas sim é de um amigo! Apenas e somente isso… um homem amigo que possas sair sem pensar que tens que fazer sexo com ele para ele continuar a partilhar a tua companhia e tu da dele… amigo no sentido de poderes partilhar a sensação de estar por essas praias sem preocupações algumas, porque uma ex vai ligar, ou a mamã está a chamar-lhe para ir para casa..etc. e tal.

Por isso, digo-te que arranjares o que pretendes é possível… se calhar não da forma como descreves, mas da forma como não descreves! (if you know what i mean!)
Beijos! E força ai menina!
Cheers!
john4sex a 21 de Agosto de 2008 às 09:53

Olá John

Das duas uma... ou não entendeste correctamente o que eu escrevi ou consideras que não é possível eu poder ter um entendimento com alguém, que possamos estar disponíveis um para o outro, sem que para isso tenhamos que viver juntos. Não sei se se chama namorado, porque num namoro, para mim, há a premissa de lealdade/fidelidade e, se alguma vez voltar a acreditar nisso, por favor, batam-me.

Sendo assim, penso que posso aspirar a ter o tal entendimento com um homem com as caratcterísticas que falei... ou não?

«Não quero saber se ele acha que deve DIVIDIR as tarefas comigo ou AJUDAR-ME EM CASA» foi o que eu disse, parece-me que te escapou o não... porque nem quero falar sobre a área doméstica com «ele»...

Na casa dele... é pedir muito?

Buenos dias...
Bom... vou agora descansar... mas antes a resposta....
Eu acho que a curto prazo, penso que sim que é possível arranjares alguém como indicas. Contudo apenas a curto prazo! Pois socialmente em ternos emocionais a longo prazo, o que desejas é completamente impossível!
É algo que pode funcionar por exemplo durante alguns meses... mas que isso não acredito muito que aconteça sem que uma das partas se sinta de alguma forma traído na forma como a "relação" anda.
E por outro lado, acho que não percebestes bem o que escrevi.... pois penso que escrevi... (ok.. era tarde...) ... mas não me parece que esse tipo de relação que descrevas seja realmente o que pretendas na tua vida...
Parece-me que o que precisas é realmente de um amigo, para espairecer essa tua cabeça, e para quem sabe voltares a acreditar quem sabe em lealdade.... e a outra coisa que escreves...
Isso pode exisitir por momentos.... ou quem sabe por momentos longos... enfim...
O que te digo é para buscar essa felicidade! Acima de tudo sê feliz!... (pese embora acho que terás primeiro que perceber realmente o que te faz feliz).... aliás ontem tivestes uma vaga sensação.. por certo com o tempo irás continuar a perceber e a compreender-te melhor!
É isso que a vida tem de tão especial... todos os dias aprendemos coisas novas... eu hoje aprendi uma coisa... chegar a casa pelas 8 e meia da manha em LA... em que as blinders não funcionam... é algo que tenho que pensar sinceramente o que fazer.... agora colocar assim tipo cobertores opacos.... bom.. vou dormir.. ou como disse aquele Tuga.. "vou para a caminha" :) Grande homem! Gajo porreiro!
beijos
Cheers....
john4sex a 21 de Agosto de 2008 às 16:45

Hi John!

Finalmente lá nos entendemos. Eu também não sei se quero isso para longo prazo. Se acontecer, logo se vê o que funciona para os dois.
Espero que o soninho tenha sido bom, ainda que luminoso...

Beijos!
Trintona(inha) a 21 de Agosto de 2008 às 21:54

Agosto 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
14
15
16

18
20
22
23

26
28
29

31


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

49 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
blogs SAPO