Considero-me uma trintona média, logo, representativa da Classe... mas posso estar enganada...

27
Nov 08

 

Já me tinha ocorrido antes, mas só há uns dias me consciencializei (será que plenamente?) que a minha herança familiar em relação aos relacionamentos é muito má. Os meus avós não viveram juntos até ao fim dos seus dias... Nem maternos nem paternos... Dos muitos irmãos que o meu pai tinha, nenhum deles teve um casamento feliz.... e actualmente só um se mantém casado. Dos filhos deles, nenhum é actualmente casado... um solteiro e todos os outros divorciados. Do lado materno,  são menos, mas nem por isso mais felizes... E apesar de não haver uma grande proximidade entre mim e elas (são todas mulheres), as notícias que me chegam é que nenhuma é feliz no relacionamento... simplesmente vão arrastando as situações, como outrora eu já fiz.

 

Será que é assim em todas as famílias? Será que existem realmente aqueles velhinhos que viveram toda uma vida ao lado um do outro e se sentem verdadeiramente felizes com essa opção? Na minha família ou nos meus conhecimentos não existem casos desses. Vendo bem as coisas, acho que não conheço um daqueles casais de velhinhos felizes com a vida que levaram...

 

Quando penso neste assunto, fico com muitas dúvidas se é isso que quero para mim. Ser realmente feliz com um homem o resto dos meus dias (de preferência muitos anos)... Será que ainda acredito que isso é possível? Uma vida a dois está longe de ser fácil. Partilha, amor, carinho... Acredito que seja possível mas vivi muito pouco isso para o sentir como o meu passado. E as cedências? Os problemas podem e devem ser encarados como desafios, já sei... Os problemas são vistos como negativos, os desafios são para ser ultrapassados. É uma boa forma de encarar a coisa. Mas... as famílias, a gestão do tempo, a gestão financeira, as divergências de opinião, os problemas com os filhos, o consumismo... tantos os problemas possíveis... Estatísticamente, é mais provável falhar do que acertar!!! :-)

 

E esta perspectiva, vinda de alguém que até há bem pouco tempo nem acreditava que queria voltar a ter uma relação... não está mal, penso eu. Embora ainda seja um longo caminho a percorrer...

 

Beijo!

 

publicado por Trintona(inha) às 20:55
sinto-me: Introspectiva!
música: As Mais Belas Canções de Natal - Toca o Sino

9 comentários:
Sempre temas interessantes.
Isto é daqueles temas que não dá para estar aqui a discorrer pensamentos senão ainda tinha que adquirir uma nova versão do Word…
Também reflicto por vezes sobre este assunto e eu já vou com quase uma década e meia de vida a dois e dois rebentos em franco crescimento. Situação que, para ser franco, nunca pensei que fosse possível. Isto reportando-me à minha pessoa nos early twenties (que neste momento está mais do que nunca parecida com o que era nessa idade mas a capa é diferente - o nome do blog é sugestivo…).
Olhando à minha volta costumo dizer que o que é difícil nos tempos que correm é estar casado…
Pois o 3º parágrafo do teu post. Resumes bem a coisa. É difícil, usando a linguagem empresarial… é um desafio, e a malta bem sabe que um desafio numa empresa normalmente tem uma parte de enterro….
Isto para mim é como já disse algures… enquanto as duas pessoas continuarem a gostar uma da outra, enquanto sentirem falta uma da outra…bute lá tentar ultrapassar os problemas, encarar os desafios, etc…. senão… mais vale a pena fechar o livro…
E claro, respeito mutuo, permissão a que cada um mantenha o seu espaço, etc, etc…
E também conseguir e saber resistir aos torpedos que por vezes nos são lançados em épocas de problemas/desafios por submarinos (por vezes muito interessantes) que andam aí por esses mares revoltos...
E obviamente, existem dias em que apetece é mandar tudo prás urtigas mas isso também é normal .
O teu 4º parágrafo faz-me lembrar a eterna jura após uma farra bem regada… nunca mais… até à próxima…
Bem, agora vou curtir o frio de Trás os Montes.
Bjs
executivo_chanfrado a 28 de Novembro de 2008 às 21:26

Olá

Muito obrigada por considerares que escrevo sobre temoas interessantes!

Vives a dois há quinze anos... os meus parabéns. Devo confessar que sempre idealizei uma situação semelhante... Encontrar o homem dos meus sonhos, ter dois filhos e envelhecer feliz ao lado dele... Bom, com este não vai ser, a ver vamos se encontro alguém que queira e eu também e que ainda vá a tempo! ;-)

Parece que os submarinos sentem o cheiro de problemas conjugais/existenciais à distância, não é?

Em relação ao 4º parágrafo... Não acreditar que seja possível morrer de amor não quer dizer que não me apaixone outra vez... Certo?

Boa sorte com o frio e com a neve!!!

Beijo!

Olá,

Os temas são interessantes porque pululam à minha volta de há uns anos para cá. Acho que os abordas de uma forma construtiva e pouco lamechas. E escreves bem.

É verdade. Mas isto não são só sonhos. A vida a dois é, do meu ponto de vista, extremamente complicada e 15 anos exigem alguma capacidade de invenção e re invenção da relação. Procura de novos pontos de equilíbrio, etc…Enfim, tema aqui que daria pano pra mangas…

Claro que os submarinos sentem o cheiro. Toda a gente o sente. E os “late thirties”/”early forties” são pródigos nestas questões existenciais. Acabo por compará-los um pouco com a adolescência. Só que já vamos com uma cargazita por trás. As questões não são muito diferentes…

Mas é fácil desviares-te dos torpedos dos submarinos. Normalmente são desprovidos de conteúdo… Menos fácil (mesmo difícil) é quando se tem a sorte (ou azar) de, por um mero azar do destino, encontrares algum porta aviões… aí sim… ficas sem saber se deves levantar voo e fazer-te ao mar. Mas pronto. Como em tudo, a situação tem é que ficar definida e esclarecida. Ou levantas ou não. Tens é que optar.

Epá, eu morrer de amor não contém comigo… agora morrer sem nunca me ter apaixonado… era uma tristeza…um desperdício…. Felizmente que levei com essa dose algumas vezes (numas correu bem, noutras… nem tanto).

A neve brindou-me com uma monumental estadia de 5 horas na A24 (o primeiro nevão) que também durou 5 horas. Interessantíssimo.

Beijo
executivo_chanfrado a 2 de Dezembro de 2008 às 11:36

Desculpa... disseste "porta-aviões"?

Ah pois...
A diferença é que o submarino anda pela calada e o porta aviões, bem... toda a gente o vê.
executivo_chanfrado a 2 de Dezembro de 2008 às 16:26

AH!!!

É que por momentos pensei que fosses alguém que eu conheço bem... ;-)

Já respondo ao teu comentário... Só queria esclarecer este ponto, com urgência!!!

Beijo

Olá,
Naaaa, não me parece que nos conheçamos.
Utilizei só umas figuras de estilo. O submarino é matreiro... o porta aviões é sólido, grande, bué aviões, tem personalidade, enfim...
E... não tenho nada a ver com a marinha....eh,eh,eh
Beijo
executivo_chanfrado a 2 de Dezembro de 2008 às 20:23

Olá!

Ora vamos lá então...

Os torpedos são relativamente fáceis de resistir... Os "porta-aviões" nem por isso... Concordo plenamente...

A questão de existir uma estreita relação entre os problemas da adolescência e da crise dos trinta/quarenta... Dos problemas da minha adolescência só me lembro de não me deixarem sair e da dúvida de com quem namorar. Ora bem... Não vejo paralelo. Mas percebo que possa ter algumas semelhanças...

A questão de alguém conhecido... Podíamos ir pela Marinha... mas não é bem por aí... É só uma alcunha que me soou familiar...

Beijos!

Pôrra!
Ainda bem que o oceano tem poucos porta aviões senão é que eram elas (briancadeira claro).
Então e como namoravas se não saías?
Pois a mim deixávam-me sair (até demais). Mas curti bem os problemas existenciais da época bem coadjuvado pela tropa de musíca, filmes e livros que me levavam a profundissímas reflexões sobre a vida.
Essas dramáticas reflexões retornam mais tarde mas só coadjuvadas pela música uma vez que básicamente não há tempo para o resto.
Ah, e quanto á dita profundidade ficou nos 80's eh, eh,eh
Pois, eu e as fardas... nunca as vi. Para farda já chaga o fatito que tenho que usar diáriamente.
Beijos e continua aí a libertar ideias.
Eu, quando tiver tempo para estruturar as minhas hei-de fazer o mesmo.
executivo_chanfrado a 2 de Dezembro de 2008 às 23:15

Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
21
22

23
25
26
28
29



mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

48 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
blogs SAPO