Considero-me uma trintona média, logo, representativa da Classe... mas posso estar enganada...

14
Dez 08

 

Serve este post para uma profunda (I wish!) reflexão sobre a influência, o poder da pressão exercida pela sociedade nos modelos sociais. Para o caso, nos papéis masculino/feminino no seio familiar, mas dá para extrapolar para uma série de outras coisas.

 

Ao fim de um dia de trabalho, vejo-me dentro de uma tenda de pano, de brincadeira, com os meus dois filhos. Na necessidade de os entreter por um bocado, porém, cansada, decido brincar "aos pais e às mães"... Imediatamente me deito e anuncio que eu sou o "pai", ela a "mãe" e ele o "filho". Distribuo nomes às personagens... e a primeira pergunta que faço à minha "esposa" é «e o jantar, já tá ou não?!»

 

E, para meu próprio espanto, acrescento... «passei pela tasca, bebi umas bejecas e comi uma sandes de courato!!!»

 

Depois fico a pensar se tento remediar o que, em 20 segundos, "estraguei" ou tento mostrar uma brincadeira mais correcta da próxima vez. Fiquei tão envergonhada comigo própria... tão surpresa... que decidi deixar para depois.

 

Quantas vezes uma criança não pede aos pais um brinquedo "sexualmente oposto" e este lhes é negado? Mais grave... é-lhes explicado que não lhe é dado porque não é correcto para o seu género sexual... Aconteceu-me a mim... Pedi uma pista de carros por volta dos 10 anos e não me foi dada, dizendo que era "para rapazes"...

 

Por isso, quando o meu filho pega numa das Barbies da irmã... deixo... Se não o tivesse deixado... não o teria visto a virar a Barbie ao contrário, abrir-lhe as pernas e beijá-la... aí mesmo, sim... :-D  Orgulho de qualquer pai, não?

 

Assim como brincarei com as pistas do meu filho e incentivarei a minha filha a brincar também... Posso mesmo acrescentar que estive para comprar uma para o Natal, para eu poder brincar com ela também!!! Mas aos 2 anos pareceu-me um pouco prematuro... ;-)

 

E podemos pensar na pressão que a sociedade exerce na demonstração das tendências sexuais... nos vários papéis sociais que desempenhamos... no primordial papel que é o de ser mulher ou homem... «um homem não chora»... «a mulher é como a sardinha... quer-se pequenina»... Enfim...

 

 

publicado por Trintona(inha) às 20:46
música: The Corrs - Everybody Hurts
sinto-me:

5 comentários:
ó meus amigos zz.
Barbies para os meninos zz.
Não havia nexessidade.
Sexo oral com as barbies zz. Feito por crianças zz.
Perversões zz.
Ganda vantagem! Esta pelo menos o teu filho já não tem que aprender. Já lhe está na massa do sangue!
Orgulho de Mãe também!
executivo_chanfrado a 16 de Dezembro de 2008 às 17:29

:-D

Bom... para começo de conversa... eu não dei a Barbie ao puto, ele é que a foi buscar aos brinquedos da irmã. Como, aliás, faz a tudo o resto.

Sexo oral... pá... o puto só deu um beijinho... :-P Assim também não vai longe!!! :-D

Claro que orgulho de mãe! Filhos bem resolvidos, desenrascados, respeitadores dos direitos dos outros e atentos às necessidades das pessoas que os rodeiam é o meu sonho...

Beijos!

Olá,
Tava a brincar.
Pois, só com beijinhos não vai lá, eh, eh, eh
Gostei da última frase. É mesmo o sonho.
Referes em vários escritos teus a questão do “resolvido”. Se tiveres vontade, esmiúça lá esse conceito um bocadinho para eu perceber melhor o que pretendes dizer com isso.
Beijos
executivo_chanfrado a 17 de Dezembro de 2008 às 11:51

Dezembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

16
17
18
19
20

23
27

29
30
31


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

49 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
blogs SAPO