Considero-me uma trintona média, logo, representativa da Classe... mas posso estar enganada...

20
Jul 11

 

 

Quando, há provavelmente mais de um ano, fui ver o filme "Comer, orar, amar" ao cinema, com duas amigas, chorei baba e ranho, no final. Claro que não deixei que ninguém visse, e já o voltei a ver depois disso e nada bateu. Hoje voltei a vê-lo, e finalmente percebi porque chorei tanto. Foi a minha história, é a minha história e não sei bem durante quanto tempo mais o vai ser.

 

Uma mulher magoada, uma mulher bem consigo própria mas que, até à data, se tem enganado muito nas suas escolhas, encontra o homem mais improvável e apaixona-se. 

 

Quando ele quer que ela deixe o conforto de se prover a ela própria, que deixe de ser independente, e de voltar a entrar de cabeça numa relação, ela tem medo e foge. Ela sou eu.

 

Quando ela finalmente se apercebe que ele é quem a faz feliz, quem a completa, ela prepara o barco e chama-o. E aí eu choro outra vez, pensando se alguma vez serei eu.

 

 

 

 

 

 

Seguramente, um dos filmes da minha vida.

http://www.youtube.com/watch?v=p9WrXpQT1tg&feature=fvst

publicado por Trintona(inha) às 19:56
sinto-me: Muito bem!

Também vi esse filme e gostei.

Há relações que nos deixam maguadas, mas não podemos pensar que vão ser todas assim ... e fugir.
O importante é tentar aprender com os erros da relação anterior e nunca desistir de ser feliz ...

Bjs
green.eyes a 21 de Julho de 2011 às 10:52

Sempre!!!

:-*

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Julho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30



subscrever feeds
mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

47 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
blogs SAPO