Considero-me uma trintona média, logo, representativa da Classe... mas posso estar enganada...

07
Abr 09

 

Então, uns dias depois, aqui volto para escrever umas palavras sobre o que julgo ser "amar aos 30" agora. Os meus 30, obviamente, pois apenas posso falar dos meus. Poderão é haver algumas pessoas cujas vivências lhes permitem sentir as coisas da mesma forma.

 

Amar é necessariamente diferente aos 20, aos 30, aos 40 e por aí fora... Pois se somos pessoas já um pouco diferentes, temos de sentir as coisas de forma diferente. Mas voltei a acreditar que amar pode ser sim sentir o coração a bater mais rápido, pode ser o desejo, ainda que impossível de concretizar, de estar os 1440 minutos que cada dia tem com essa pessoa, adormecer e acordar ao lado dela...

 

Pode ser difícil ultrapassar todos os obstáculos, que, normalmente, nós próprios levantámos... Se já fomos magoados acreditamos que não nos podemos voltar a apaixonar... Se conhecemos alguém, em vez de olhar para as coisas que nos agradam olhamos para as que não conseguiremos suportar por muito tempo... Criamos um muro à nossa volta e não deixamos ninguém entrar. É realmente a melhor forma de não nos magoarem mais, mas é também a melhor forma de morrer em vida. Alguém disse um dia que não há pior do que passar por este mundo e nunca amar. Eu acrescento que quem consegue dizer que já amou verdadeiramente duas ou três pessoas é uma pessoa verdadeiramente afortunada.

 

Creio já ter amado verdadeiramente uma pessoa. Gostava de poder dizer o mesmo por, pelo menos, mais uma. Ainda que me venha a magoar muito. Pelo menos crescerei mais um pouco. Viverei muito mais.

publicado por Trintona(inha) às 20:35
sinto-me: Em paz
música: The Fray - You Found Me

19
Fev 09

 

Hoje fez-se luz na minha cabeça. Não sei se a decisão é para durar, mas sei o que quero.

 

Quero alguém que me queira, não apenas que me queira levar para a cama.

 

Assim dito parece simples... Não?

 

PS: Quem diz cama diz outro sítio qualquer equivalente...

publicado por Trintona(inha) às 20:16
sinto-me: Convicta!
música: Best Love Songs Countdown - VH1 - Lovely!

11
Jan 09

Hoje quero só deixar aqui três "coisas" num post só.

 

Uma é o motivo da falta de tempo para escrever um post em condições: hoje é a festa de aniversário da minha filha. :D

 

Outra é um pensamento que li há alguns dias e que me tem acompanhado: "Não sonhar é morrer em vida". Acho que não tenho sonhado o suficiente.

 

A última é um excerto de uma letra de uma canção que me foi "apresentada" por uma pessoa especial. Gosto especialmente de algumas passagens - "Kinda woman that want you but don’t need you"... Será que existem mesmo homens com arcaboiço suficiente para aguentar isso?

 

"Ooh, it's somethin’ about,
Just somethin’ about the way she move,
I can’t figure it out,
It's somethin’ about her,
(Say) Ooh, it's somethin’ about,
Kinda woman that want you but don’t need you,
(Hey) I can’t figure it out,
It's somethin’ about her.

‘Cause she walk like a boss,
Talk like a boss,
Manicure nails just set the pedicure off,
She’s fly effortlessly, (effortlessly)
An’ she move like a boss,
Do what a boss,
Do, she got me thinkin’ about gettin’ involved, (involved)
That’s the kinda girl I need, oh.

She got her own thing,
That’s why I love her,
Miss independent,
Won’t you come and spend a little time,
She got her own thing,
That’s why I love her,
Miss independent,
Ooh, the way we shine,
Miss independent, yeah.


Miss Independent, Ne-yo"

 

publicado por Trintona(inha) às 13:11
sinto-me: Bem!
música: Miss Independent - Ne-Yo

12
Out 08

 

O comentário ao meu último post fez-me pensar muito. A tristeza por ele despoletada já foi discutida com quem de direito. Ainda não exaustivamente, mas lá chegará o momento.

 

Por outro lado, fez-me pensar no que o blog era no seu início e no que é agora. O comentário em relação à futura escassez de nomes de raças fez-me ponderar, e como diz a Ana no seu blog (http://diariodeumadivorciada.blogs.sapo.pt/), mesmo que eu encontre o homem-maravilha, é melhor ficar calada... Não é que, desde a minha separação tenha experimentado assim tantas raças... Os rafeiros existem, acho que já consegui entender porquê... obrigada J. Mas mesmo que tivesse experimentado... Não devo nada a ninguém. Não estou a deixar de seguir nenhuns dos meus valores...

 

Descobri um blog novo. É impossível agradar a gregos e troianos, por isso, eu assumo: gostei. Gosto de ler a opinião de um homem sobre os assuntos lá expostos. http://oarrumadinho.blogspot.com/ Se é que é mesmo um homem que escreve...

 

Quanto aos assuntos de trintonas e afins... Quero apenas partilhar convosco o assunto mais chocante do meu fim-de-semana... Ia eu a chegar ao meu carro, quando um grupo de três ou quatro adolescentes me disse: «És cota mas até és querida!» UL-TRA-JAN-TE!!! Mas tenho que me ir habituando, não é? ;-) Afinal... se eles tiverem 16 anos, tenho idade para ser mãe deles...

publicado por Trintona(inha) às 22:12
sinto-me: Cabrões dos putos! ;-)
música: Per7ume e Rui Veloso - Intervalo

02
Out 08

Bom. Para começar, devo dizer que o dia de hoje foi impróprio para cardíacas. Estou a chá de tília porque não consigo tolerar camomila e sinto-me com o coração a mil. E estou hipertensa... o que para a minha idade, é muito mau.

 

Depois, tenho que agradecer ao António Variações. Pela letra escrita há mais de vinte anos, que tanto me inspirou no dia de hoje...

 

Em terceiro lugar, partilhar porque é que estou neste estado... Acordei de um pulo, apesar das poucas horas dormidas e fui arranjar-me. Ele já me viu sem maquilhagem, cabelo desarranjado... Por isso não adiantava aperaltar-me como se fosse para a noite, que ele já me conhece bem. Maquilhagem normal, cabelo arranjado (natural é de um encaracolado selvagem, arranjado faz lembrar o da Eva Longoria), salto bem alto, calça de ganga que me cai como uma luva e um top preto com um generoso decote. A cada vez que alguém se dirigia a mim, pensei que fosse a anunciá-lo... Que stress... A hora do almoço chegou, fui comer... Avisando onde estava, não fosse ele chegar... A certa altura pensei que fosse ele a chegar ao pé de mim e já quase não conseguia levar a comida à boca!!! Pensei com os meus botões: «Que raio! Porque é que ele me deixa assim? Já senti que ele também quer. Se o encaro neste estado, nem vou conseguir falar! Com outros homens falo das minhas tendências bissexuais, com este que gostava de experimentar o que ainda me falta explorar e não consigo sequer olhá-lo em condições!!!» Tentei acalmar-me... E voltei ao trabalho. Ele não apareceu. Noutra altura, passar-me-ia logo ali... Que ele não foi porque não está interessado em mim... Que... Que...

 

Por alguma coisa Deus fez os rafeiros atravessarem a minha vida.... E mesmo não sendo católica, acredito em Deus e acredito que tudo na nossa vida acontece por um motivo... E cheguei hoje à conclusão de qual foi o motivo deste meu contacto com eles... Aprender a ser paciente, a aceitar que até as coisas acontecerem não se deve tomá-las por garantidas, a ter em conta que nem toda a gente é como eu e faz o que «promete»... Trouxeram alguma serenidade à minha vida...

 

Dei as minhas voltas... Respondi a umas mensagens (saí do «castigo», mas não o aceito, por isso mostrei cartão vermelho...)... Fui buscar os miúdos e lá fui eu para o local onde o conheci...

 

Rapidamente o encontrei. Não sei como, serena. Parecia que tinha tomado alguma coisa. Juro que não tomei. Cumprimentámo-nos... Ele brincou com o meu filho, como sempre... E depois disse que tinha ficado retido, com problemas, que não conseguiu aparecer... Eu voltei a sugerir o SMS... E desta vez ele já pareceu ver as vantagens deste método... ;-) Foi buscar o telemóvel dele... Eu disse-lhe o meu número, ele deu-me um toque para eu guardar o número dele... ;-) Gostei da subtileza...

 

Parecendo hipnotizada, pela tranquilidade com que o fiz, perguntei-lhe como correu o dia de aniversário... Meio atordoado, perguntou «De quem»... E eu, a sorrir, respondi-lhe: «O teu»... Eu, que falo com ele umas 6 vezes por mês nos últimos dois anos, que jamais o tratei por tu... ;-) E disse-lhe que o meu aniversário é alguns dias depois do dele... Ele lá explicou como foi, que não liga muito a esses dias, que lhe fizeram umas surpresas... E depois pergunta-me pelo meu... Eu conto-lhe... Falamos um pouco de gostos musicais... Claro que, com 12 anos de diferença e um estilo de vida provavelmente oposto ao meu... não conheço metade dos grupos que ele falou, mas, com ele por perto, quero lá saber de música!!! :-D

 

Claro que eu aproveitei para reforçar a minha situação de solteiríssima, não fosse ele ter dúvidas... :-D

 

Ainda nos cruzámos mais algumas vezes... Falámos certamente sobre mais algumas coisas... Mas nem me lembro... Os olhos são de um verde delicioso... Acho que consigo imaginá-lo a falar, eu enroscada nele e não ouvir uma palavra do que ele diz... Só olhando para aqueles olhos... Ai... Lá vem a taquicardia...

 

Por fim, saiu uma hora depois da sua hora habitual... Ainda o acompanhámos... Coincidência? Não acredito em coincidências... Especialmente quando nós saímos a uma hora mais ou menos pré-determinada...

 

Aguardo A mensagem. Hoje penso que já não vem... Amanhã também é dia, não faz mal...

 

E pensar que o argumento do favor é tão fraquinho... Tão que até dá para desconfiar... Que bom...

 

Beijos!!!

 

 

 

 

publicado por Trintona(inha) às 22:30
música: Coldplay - Fix you
sinto-me: a não caber na minha pele!

02
Set 08

Quando estou muito tempo sem escrever aqui, tenho o problema de não saber bem por onde começar.

 

Comecemos pelo princípio da semana, pela segunda-feira... Fiquei uma semana duty-free (being a mommy)... Pode parecer uma eternidade, mas o segundo dia já está no fim... E claro, estou de férias...

 

Na segunda fui tomar um café com a criatura que, até agora, que me fez, aí na ordem dos 5%, acreditar que afinal, life after love é possível... Fala português irrepreensivelmente (até me dá baile... lol), inglês, francês... Escreve igualmente bem. Gosta de poesia, de história, das artes em geral. É cavalheiro... pergunta se pode antes de... Mostrou-me que, afinal, a música francesa também se aprecia... Nem a propósito, Madame Bruni... Intelectualmente, e não querendo parecer convencida mas já o sendo, à minha altura, ou mais acima... O que, só por si, é delicioso...

 

Em termos físicos... Eu estava 100% certa no máximo de 1,85... Fica mesmo no ponto... ;-) Giro, magro (pensava eu demais)... Cabelo bem curtinho... Olhos expressivos, castanhos, moreno q.b. Do que pude observar, corpo trabalhado mas natural... Não é peludo (:-D)!!! Mais um ano que eu. Sentido de humor refinado, tal como ele. Levou-me a um sítio lindíssimo, onde me beijou... Ou seja, se esta história tiver algum tipo de progresso, a primeira vez que nos beijámos... Muito bonito. Ainda não perguntei se foi premeditado, mas é bonito na mesma.

 

Um beijo delicioso, terno, meigo, de quem sabe bem que tipo de sensações quer transmitir... Tocá-lo (nada de pornoxaxada, tocar o pescoço, os braços, o tórax...) foi uma experiência como há muito não tinha... Ou talvez nunca, não sei... Agora que cheguei aos 32 entendo o que a classe trintona quer dizer com expressões como «sentidos apurados»... É surreal o tipo de sensações que ele me despertou, sem cariz sexual propriamente dito... Em oposição por exemplo ao vintinho...

 

Cheguei a casa à hora que já algumas pessoas saiam para o trabalho... E que bem sabe... Vamos sair outra vez, não sei o que faça em relação ao que lhe diga sobre a minha vida familiar actual... Já aflorei o assunto mas não falámos abertamente. Ele fala em levar-me a conhecer todos os sítios de que, tão entusiasticamente, fala... Mas não sei se isso significa algo... Para além da vontade de partilhar... Palavras dele...

 

Leio as minhas próprias palavras e penso... é demasiado bom para ser verdade... Onde está o catch? Ele diz ser divorciado... Mas hoje em dia não se pode facilitar... Eu bem sei... E talvez por saber demais é que o meu radar não pára... Como interpretar o telemóvel em silêncio? Pura educação ou algo a esconder... Interpretar estes sinais já não é fácil, para mais com a minha bagagem... Sei que tenho que dar tempo ao tempo, sair uma vez mais, ver se acalmo o meu instinto ou se, pelo contrário, o alarme soa... Como lhe disse... «Quando a esmola é grande, o santo desconfia...»

 

Para ser coerente, vou dar-lhe o nome de uma raça canídea... Wolfhound Irlandês...

pt.wikipedia.org/wiki/Wolfhound_Irland%C3%AAs

 

Beijossssssssssss

 

publicado por Trintona(inha) às 18:53
sinto-me: Nas nuvens...
música: Raphaël - Carla Bruni

30
Ago 08

Uns dias de ausência motivados pelo aniversário. Meu, pois claro.

 

Neste novo ano, espero alcançar a plenitude de quem sabe o que quer da vida, ainda que não tenha alcançado os seus objectivos.

 

Não conheço bem a novela que deve ser a vida da nova Sra. Sarkozy... Mas lia no blog da Sissi uma frase muitíssimo correcta... que é preciso um grande homem para estar tranquilamente ao lado de uma mulher com um passado amoroso/sexual como ela. Não tenho a pretenção de ter tido um décimo da história dela (também não tenho a sua idade, o seu berço, a sua nacionalidade ou a sua profissão), mas concordo a 100%. E acrescento: é preciso um homem muitíssimo seguro de si para estar ao lado (não em cima nem por baixo)  de uma mulher bonita, inteligente, independente, com algum passado amoroso... E para mais, que essa mulher tenha já uma família a quem necessita dar muita atenção, pelo que não sobrará muito tempo para ele... Bom, mas já estou a passar para a minha história pessoal e o meu homem-maravilha... Quanto mais penso nisso mais acho que o Labrador se encaixa nessa categoria... Mas devem ser as saudades a falar, apenas...

 

Despedi-me do vintinho. É bom, foi bom, mas não é aquilo que eu quero, para mim, neste momento. Não sei se quando a vontade apertar se o volto a chamar. Talvez. Mas não me parece. Nem estou no meu melhor, quando estamos juntos, porque falta ali um «je ne sais quois»... Assim não dá tanta vontade. Embora seja óptimo ouvir perguntar se sou ninfomaníaca! :-D

 

É altura de renovação. É altura de decidir bem o que quero, do que preciso, definir estratégias e não perder tempo (que é duplamente precioso para mim) com coisas que não interessam. Sei que ainda estou a dever uma reflexão/post sobre os rafeiros, muito embora não seja uma problemática que me aflija muito neste preciso momento...

 

E vivam as férias quando quase todos já recomeçaram a trabalhar! :-)))

 

Beijos!

 

 

publicado por Trintona(inha) às 15:50
música: Morango do Nordeste - Karametade
sinto-me: Yupi!

21
Ago 08

"O que é que eu quereria num homem, fantasiando que ia ficar tão apaixonada por ele que ia querer voltar a ter uma relação «à moda antiga»"

Este tema surgiu de uma «conversa» onde senti que estava a ser acusada de ser fútil, por só querer saber do exterior de um homem.

Não sei se alguma vez falei em querer qualquer coisa de um homem, fosse o que fosse, sem mencionar sempre o factor inteligência. Nem que fosse só para uma queca. Se o fiz, foi falha minha. Mesmo para sexo «apenas»... como se o sexo fosse coisa que não exige uma série de conhecimentos, know-how e saber estar?!

Bom, fantasiando que eu conhecia AQUELE homem... Que me faria acreditar outra vez no amor, na entrega incondicional, na capacidade de estar com uma só pessoa (lealdade, fidelidade, monogamia, chamem-lhe o que quiserem)... Na vontade de envelhecer ao lado daquela pessoa... De partilhar intimidade...

As primeiras características que me ocorrem para este homem-maravilha são, acima de tudo, intelectuais. Não vou mentir e dizer que a parte física não é importante. Porque é. Quando falo de idade, da altura, falo claro de físico. Claro que um homem de 40 anos é ainda muito atrante, mas é, quase de certeza, mais experiente, mais seguro de si, terá um maior à-vontade... Até nisso declino a parte física em detrimento da parte intelectual. Neste momento aceitava mais facilmente um namorado/homem/amigo colorido de 40 anos do que um de 20. Por isso não tenho sexo há algumas semanas, como falava um comentário. Não tenho porque a opção mais fácil não me interessa neste momento.

O homem-maravilha tinha que, para início de tudo, me dar a segurança de que, se quisesse estar com outra pessoa, terminaria primeiro a relação comigo. Não sei como e se isso algum dia vai ser possível, por isso uso o verbo fantasiar... Depois, tem que ser inteligente. Como também creio já ter escrito aqui, se há coisa que não consigo tolerar por muito tempo é a ausência de uma conversa interessante, de alguém que não fala o português muito correctamente e, pelo menos, mais o inglês... Incomoda-me o não saber vestir à altura de uma situação. A falta de educação. A falta de valores... O não saber estar numa situação mais delicada, não saber expôr de uma forma sucinta e directa aquilo que quer. Sei lá. Ficava aqui a noite toda. 

O sexo é importantíssimo. Há quem diga que, numa relação, vale 10% quando é do bom e 90% quando é mau para um dos parceiros. Acho que é uma boa verdade. Assumo que é importante, para mim. Mas o sexo depende directamente tanto da parte física, como da parte intelectual. Por isso, mesmo «só» para sexo, considero importantes as características de que costumo falar.

Da parte física, não acho que o meu ideal seja muito exigente. Uma determinada altura. Um excesso de peso não muito flagrante não me incomoda, mas melhor seria que não existisse. Uma faixa etária que se prende com outras questões mas também com o aspecto. Desde que conheci um determinado homem que me despia com os olhos de cada vez que nos encontrávamos, comecei a achar um homem «careca» muito sexy. Ainda hoje «sonho» com ele. Não era bem careca... tinha umas generosas entradas e resolvia o problema rapando o cabelo todo. Mas era cinturão negro, portanto há outros factores envolvidos. ;-) Mas só para dizer que nem em relação ao cabelo sou exigente na parte física. Uma cara agradável, um rosto bem barbeado, uns dentes e umas mãos cuidadas... Ah... Pouco peludo. Isso sim é essencial. O ideal seria aquele tórax de nadador, bem torneadinho, sem pêlos... Mas entendo que não se possa ter tudo... ;-)

E parece que preciso voltar a escrever sobre os rafeiros... Para ver se consigo encontrar a causa do «padrão». Um, enfim. Dois, é azar. Três, não é coincidência...

Ah!!! E hoje foi um dia muito especial... Quando achava que o Labrador estava de férias... Tive um encontro imediato de um grau infinitamente inferior ao que eu desejaria com ele... Duas vezes... Como dizia a canção... "Tou na lua..."

Beijos!

publicado por Trintona(inha) às 18:33
sinto-me: Picada!
música: Rihanna - Take a bow

Junho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
15

16
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


mais sobre mim

ver perfil

seguir perfil

49 seguidores

pesquisar neste blog
 
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

links
blogs SAPO